Terça Traquina – Os avós deseducam?


“A coroa dos velhos são os filhos dos filhos; e a glória dos filhos são seus pais”
Provérbios 17:6

É verdade que os avós “deseducam”?  Como partilhar a educação de nossos filhos e netos sem invadir as esferas de atuação e causar desconforto nas relações?

Li um artigo muito bom sobre a educação no Japão. Fiquei surpresa ao ver que um dos fatores apontados para o sucesso das crianças na escola, eram as avós.  Essas senhoras, que já não tinham tantas obrigações em casa, se postavam nas janelas das escolas e apenas observavam seus netos nas salas de aula. Esse simples ato de observar levava os pimpolhos a um melhor comportamento que gerava maior atenção e consequentemente…  Melhor desempenho.

A participação dos avós na vida da criança é muito importante mas é preciso que haja um entendimento sobre os limites a serem obedecidos de ambas as partes: pais e avós.

Alguns pontos que precisam ser esclarecidos:

1-      O que é inegociável na educação da criança para os pais? Não tomar refrigerantes? Não ver alguns programas de TV? Palavrões?

Seja o que for, a educação dos filhos é responsabilidade dos pais e cabe aos avós acatarem o que é estabelecido como inegociável.  Cabe, entretanto, aos pais serem equilibrados em sua lista de “inegociáveis” deixando uma margem de liberdade necessária. Afinal, os avós NÃO SÃO OS PAIS.

 

2-      Quanto tempo uma criança deve passar com os avós? Lembrem-se os avós não são babás sem remuneração (embora muitas avós desempenhem esse papel).  Os pais precisam saber que mesmo amando profundamente os netos, os avós precisam descansar e ter um tempo só deles. Eles já criaram os filhos e não tem mais tanta energia como antes.

 

3-      É natural que os avós deem mais liberdade e mimo aos netos, afinal eles os veem menos e não tem tanta responsabilidade na criação dos mesmos. Então, o que fazer com as regras diferentes nas duas casas? Simples: Diga isso claramente a criança, e se ela ainda é muito nova para entender, demonstre com paciência.

Exemplo 1- Na casa da vovó pode brincar com as panelas, aqui na casa da mamãe, não.

Exemplo 2- Na sua casa você pode dormir bem tarde, aqui na casa dos seus avós as pessoas dormem mais cedo.

Exemplo 3- Na sua casa você pode por o pé no sofá, na casa da vovó não.

(Desnecessário dizer que não devemos colocar “complementos” irônicos nas nossas falas, tais como: Na casa da sua avó QUE É UMA BAGUNÇA, você pode fazer isso e isso…)

 

O fato de dizer claramente as regras para a criança vai ajudá-la em seus relacionamentos sociais. Ela vai entender que, casas diferentes, com pessoas diferentes, tem regras diferentes. Isso vai ajudar a criança a entender que os lugares diferentes que ele frequentar na infância assim como na vida adulta, terão regras diferentes e comportamentos diferentes serão esperados dele.

Então, deixemos que nossos filhos aproveitem a companhia de seus avós, mas tomemos cuidado para não nos aproveitarmos da grande ajuda que eles nos dão.

 

Janaina Vieira