Terça Traquina – Crer ou não crer, eis a questão.


Crer ou não crer, eis a questão.

Ensinar a uma criança que existe muito mais entre o céu e a terra do que julga a nossa vã filosofia é bem mais do que citar Shakespeare. O ser humano é dotado de uma fome de eternidade que só a existência espiritual pode explicar.  Crianças expostas a fé são mais esperançosas e felizes. Quem não quer  filhos felizes? Já vão existir dias nublados o bastante na existência, não há necessidade de tirar o sol de todos eles.

Alguns pais, no entanto, acham que vão tolher a liberdade dos filhos ou vão influenciar as suas escolhas espirituais se passarem para os filhos as suas crenças. Com isso deixam suas crianças alheias ao mundo espiritual que nos cerca e reféns das crenças de outras pessoas, professores, artistas de televisão, instrutores de artes marciais e tantos outros contatos que os nossos pequenos têm.  Temos aí, um bom exemplo de proteção que desprotege.

Uma criança entregue a si mesma e sem temor ao Senhor Deus está fadada a seguir seus instintos e suas decisões baseadas na sua própria ética. Por mais que os pais se esforcem não é possível construir a ética de uma criança o bastante antes que os desafios de julgamento, onde esta se faz necessário, cheguem. Muito antes do que pensamos,  convites para o erro vão chegar aos nossos pequenos e, se não há uma linha de fé passando dos pais aos filhos proporcionando uma segurança emocional forte, os nossos queridos serão presas fáceis.

Sei que muitos pais modernos discordarão com veemência  e taxarão este texto de retrógrado e ainda, lembrarão de uma porção de exemplos onde isso não funcionou. Contudo não estou aqui pregando religiosidade e sim espiritualidade. Não falo de igreja, falo diretamente sobre Deus.  As fatalidades nos atingem. Isso é fato. Não conseguimos prever quando um raio de infelicidade cairá sobre nós ou os nossos pequenos, então, porque não vaciná-los com a fé? Corremos tanto para vacinar nossos filhos contra doenças como paralisia infantil, difteria, tuberculose, etc… e nem em sonho pensamos em negligenciar esses cuidados porque cremos que as pessoas que criaram e manipularam esses vírus são competentes para proteger nossos amados bebes de tais terríveis doenças. Então, porque não correr e vacinar o espírito? Porque não aproveitar e experimentar a presença do Todo Poderoso em suas vidas?

Janaina Vieira

Professora aposentada.