Terça Traquina – Deus de Abraão, Isaque e Jacó.


Êxodo 3.6- Eu sou o Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

Muito interessante é o fato de nosso Deus ser apresentado como Pai por Jesus Cristo. Em todo o tempo de sua vida terrena, enquanto nos ensinava a viver de forma adequada por aqui, Jesus sempre se referia ao Senhor Deus como Pai. Quando solicitado a ensinar como orar, o Mestre começou a “conversa” com Deus dizendo “Pai nosso”.

Neste mês dedicado aos pais, quero ressaltar a importância desse papel do homem que, se não é o único é mais exigente e que gera mais frutos, doces ou não.

O pai é o primeiro contato social da criança. Para o bebê, gerado dentro do corpo da mulher, ele e a mãe são um por um tempo bem grande. Quando a voz do pai, seu toque e cheiro diferentes chegam até o nenem, algo novo é apresentado e esse “novo” é a representação de “todos, menos a mamãe”. E assim será por uma boa parte da infância. Esse contato se bem administrado trará muito ganho para ambos.

Quando se apresentou para Moisés Deus disse: Eu sou o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Três pais, três patriarcas.

Quero usar as características desses três patriarcas para delinear, ainda que muito levemente, o papel dos pais.

O primeiro patriarca, Abraão, foi o pai da fé. Ou seja, um homem que acreditou nas promessas de Deus apesar de poucas informações a respeito de como as coisas se sucederiam. Quando um homem se torna pai as informações sobre como será a sua vida daí para diante são poucas e não muito explicadas também. Dia após dia a descoberta de caminhos na convivência e o crescimento em amor entre ele e seu filhos precisam ser construídos. Assim como Abraão que pisava um passo de cada vez e junto dele seguia o Senhor, o pai precisa acordar todas as manhãs acreditando que não há caminhos fáceis mas com Deus, eles serão possíveis. Enquanto a  relação da criança com a mãe parece tão natural, com o pai, o mesmo não se dá. È o exercício da fé diária.

O segundo patriarca Isaquefoi resposta de promessa para Abraão, seu pai, mas também caminhou a dura estrada da paternidade. Pai de dois homens: Esaú e Jacó, Isaque foi enganado por um dos filhos. Mesmo assim permaneceu firme e aquele filho enganador veio a ser um filho que lhe deu grandes alegrias. Nem sempre o filho que tem um começo ruim será aquele que tem um final ruim. Deus pode mudar todas as histórias.

Por fim, Jacó, o enganador. Ele mesmo foi pai de doze homens e uma mulher. Esse homem todo errado em sua juventude. Aquele que na juventude, queria levar vantagem em tudo, se tornou o patriarca das doze tribos. Deus pode mudar a história dos filhos mas também pode mudar a história dos pais.

Queridos pais, enquanto você cria e dirige os passos de seus filhos com amor, saiba que Deus cria e dirige os seus passos também. Seus filhos são as suas crianças e você é a criança de Deus. Não se desampare e nem desista de si mesmo. Cuide-se enquanto cuida dos seus  sabendo que você também tem um Pai acima de você.

 

Janaina Vieira

Professora aposentada